Perfil e Sazonalidade dos Usuários Frequentes no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência

Autores

  • Mahyara Pereira dos Santos Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Medicina de Botucatu, Campus Botucatu, São Paulo https://orcid.org/0000-0003-4626-3714
  • Meire Cristina Novelli e Castro Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Medicina de Botucatu, Campus Botucatu, São Paulo https://orcid.org/0000-0002-0590-4127
  • Silmara Meneguin Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Medicina de Botucatu, Campus Botucatu, São Paulo https://orcid.org/0000-0003-3853-5134
  • Priscila M. Vieira de Almeida Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - SAMU 192 https://orcid.org/0000-0002-8516-9491

DOI:

https://doi.org/10.52572/revchronosurg.v2i1.39

Palavras-chave:

Emergência, Pacientes frequentes, Superlotação

Resumo

Objetivo: Analisar o perfil e sazonalidade dos usuários frequentes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Metodologia: Pesquisa descritivo-exploratória, quantitativa, realizada por meio da análise das fichas dos atendimentos realizados entre 01/06/2018 a 31/05/2019 por um Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Resultados: No período do estudo, houve 7621 atendimentos no serviço, sendo 6557 incluídos no estudo. Os usuários frequentes, aqueles atendidos mais do que uma vez pelo serviço, foram identificados em 2012 casos (30,68%). A idade média desses pacientes foi de 53,29 anos sendo a maioria do sexo feminino (55,07%). A principal demanda foi em decorrência de queixas clínicas (72,14%), seguida pelas psiquiátricas (16,94%). As queixas clínicas e as psiquiátricas foram prevalentes, respectivamente, nos períodos da manhã e da tarde (p<0,0001) e no inverno e na primavera (p=0,0030). O aumento da idade mostrou-se um fator de risco nas queixas clínicas (OR=1,040) e protetor nas queixas psiquiátricas (OR=0,971). Conclusão: Os atendimentos frequentes foram majoritariamente de natureza clínica e psiquiátrica. Houve relação entre período do dia nos atendimentos psiquiátricos, sendo o aumento da idade um fator protetor nestes casos, e sazonalidade com os casos clínicos, sendo o aumento da idade um fator de risco.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Anziliero F, Dal Soler BE, Silva BA da, Tanccini T, Beghetto MG. Manchester System: time spent on risk classification and priority of care at an emergency medical service. Rev Gauch Enferm [Internet]. 2017;37(4):e64753. Available from: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.04.64753

Oliveira GS, Jesus RM, de Lima DM, Mendonça IO RH. Superlotação das urgência e estratégia de gestão de crise : uma revisão de literatura. Cad Grad -Ciências Biológicas e Saúde [Internet]. 2017;4(2):115–26. Available from: https://periodicos.set.edu.br/cadernobiologicas/article/view/4596/2498

Mendes EV. As redes de atenção à saúde [Internet]. Vol. 15, Ciência & Saúde Coletiva. 2010. 2297–2305 p. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000500005&lng=pt&tlng=pt

Gomide MFS, Pinto IC, Gomide DMP, Zacharias FCM. Perfil de usuários em um serviço de pronto atendimento. Med (Ribeirão Preto) [Internet]. 2012;45(1):31–8. Available from: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v45i1p31-38

Acosta AM, Pelegrini AHW, Lima MAD da S. Percepção dos profissionais de saúde sobre os usuários frequentes dos serviços de urgência e emergência: revisão integrativa. Enferm em Foco [Internet]. 2011;2(2):141–4. Available from: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2011.v2.n2.114

Brasil. Ministério da Saúde. Manual Instrutivo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Ministério da Saúde (BR), editor. Brasília; 2013. 84 p. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_instrutivo_rede_atencao_urgencias.pdf

Andrade Lefundes GA, Gonçalves NO, Nery AA, Alves Vilela AB, Martins Filho IE. Caracterização das ocorrências do Serviço De Atendimento Móvel de Urgência. Rev Baiana Enfermagem‏ [Internet]. 2016;30(3):1–10. Available from: https://doi.org/10.18471/rbe.v30i3.16387

Pitteri JSM, Monteiro PS. Caracterização do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) em Palmas-Tocantins, Brasil, em 2009. Com Ciências Saúde [Internet]. 2010;21(3):227–36. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/caracterizacao_servico_atendimento_movel.pdf

Tibães HBB, Martins DDS, Alves M, Penna CMDM, Brito MJM. Service Profile of the Mobile Emergency Care Service in The North of Minas Gerais State / Perfil de Atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência no Norte de Minas Gerais. Rev Pesqui Cuid é Fundam Online [Internet]. 2018;10(3):675. Available from: https://doi.org/10.9789/2175-5361.2018.v10i3.675-682

Almeida PMV de, Dell’Acqua MCQ, Cyrino CMS, Juliani CMCM, Palhares V de C, Pavelqueires S. Analysis of services provided by SAMU 192: Mobile component of the urgency and emergency care network. Esc Anna Nery - Rev Enferm [Internet]. 2016;20(2):289–95. Available from: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160039

Marques GQ, Da Silva Lima MAD, Ciconet RM. Agravos clínicos atendidos pelo serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU) de Porto Alegre - RS. ACTA Paul Enferm [Internet]. 2011;24(2):185–91. Available from: https://doi.org/10.1590/S0103-21002011000200005

Leli IT, Stevaux JC, Bustus KC, Santos DA dos. Variação Sazonal e os Efeitos na Saúde Humana em Maringá, PR. Perspect Geográfica [Internet]. 2017;12(16):14–21. Available from: https://e-revista.unioeste.br/index.php/pgeografica/article/view/17327

DATASUS. Produção ambulatorial do SUS - São Paulo - por local de atendimento [Internet]. [cited 2020 Jul 15]. Available from: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sia/cnv/qaSP.def

Teston EF, Silva JP da, Garanhani ML, Marcon SS. Early hospital readmission in the perspective of chronically ill patients. Rev da Rede Enferm do Nord [Internet]. 2016;17(3):330. Available from: https://doi.org/10.15253/2175-6783.2016000300005

Acosta AM, Lima MAD da S. Características de usuários frequentes de serviços de urgência: revisão integrativa. Rev Eletrônica Enferm [Internet]. 2013;15(2):564–73. Available from: https://doi.org/10.5216/ree.v15i2.17526

Data OWI. What do people die from? [Internet]. 2019 [cited 2022 Jan 22]. Available from: https://ourworldindata.org/what-does-the-world-die-from

Heidenreich PA, Bozkurt B, Aguilar D, Allen LA, Byun JJ, Colvin MM, et al. 2022 AHA/ACC/HFSA Guideline for the Management of Heart Failure: Executive Summary: A Report of the American College of Cardiology/American Heart Association Joint Committee on Clinical Practice Guidelines. Circulation [Internet]. 2022 Apr; Available from: https://www.ahajournals.org/doi/10.1161/CIR.0000000000001062

Marinho F, Passos VM de A, França EB. Novo século, novos desafios: mudança no perfil da carga de doença no Brasil de 1990 a 2010. Epidemiol e Serv saude Rev do Sist Unico Saude do Bras [Internet]. 2016;25(4):713–24. Available from: https://doi.org/10.5123/S1679-49742016000400005

Paulo Henrique Dias Quinderé, Maria Salete Bessa Jorge TBF. Rede de Atenção Psicossocial: qual o lugar da saúde mental ? Rev Saúde Coletiva [Internet]. 2014;24(1):253–71. Available from: https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000100014

Incao DBD, Bento HM, Ii G. Investigating the association between depressive symptoms and complaints in different seasons. Fractal Rev Psicol [Internet]. 2015;152–9. Available from: https://doi.org/10.1590/1984-0292/896

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Doenças respiratórias crônicas [Internet]. Ministério da Saúde, editor. Brasília; 2010. 160 p. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_respiratorias_cronicas.pdf

Dias CS, Mingoti SA, Ceolin APR, Dias MA de S, Friche AA de L, Caiaffa WT. Influência do clima nas hospitalizações por asma em crianças e adolescentes residentes em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cien Saude Colet [Internet]. 2020 May;25(5):1979–90. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232020000501979&tlng=pt

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Folha informativa sobre suicídio [Internet]. Genebra: OMS. 2018. Available from: https://www.paho.org/pt/topicos/suicidio

Matoszko AP, Martins AL, Benedito D de AR, Lima MaCF, Rodrigues TS. Caracterização da demanda do pronto socorro adulto do Hospital Escola Luiz Gioseffi Jannuzzi. Rev eletronica do CESVA [Internet]. 2019;12(1):79–88. Available from: http://revistas.faa.edu.br/index.php/SaberDigital/article/view/727

Veronese AM, Oliveira DLLC de, Nast K. Risco de vida e natureza do SAMU: demanda não pertinente e implicações para a enfermagem. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2012;33(4):142–8. Available from: https://doi.org/10.1590/S1983-14472012000400018

Malvéstio MAA, Souza RMC de. Desigualdade na atenção pré-hospitalar no Brasil: Análise da eficiência e suficiência da cobertura do SAMU 192. Cien Saude Colet [Internet]. 2022; Available from: http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/desigualdade-na-atencao-prehospitalar-no-brasil-analise-da-eficiencia-e-suficiencia-da-cobertura-do-samu-192/18268?id=18268

Downloads

Publicado

17-08-2022

Como Citar

1.
dos Santos MP, Castro MCN e, Meneguin S, Almeida PMV de. Perfil e Sazonalidade dos Usuários Frequentes no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Rev. Chronos Urg. [Internet]. 17º de agosto de 2022 [citado 28º de setembro de 2022];2(1):e2122.39. Disponível em: https://chronos.samu.fortaleza.ce.gov.br/index.php/urgencia/article/view/39