https://chronos.samu.fortaleza.ce.gov.br/index.php/urgencia/issue/feed Revista Chronos Urgência 2022-12-01T19:39:20+00:00 Núcleo de Educação Permanente nep@samu.fortaleza.ce.gov.br Open Journal Systems <p>A Revista Chronos Urgência (Rev. Chronos Urg.), vinculada ao Núcleo de Educação Permanente do SAMU 192 – Regional Fortaleza, é um periódico científico de Publicação Continuada <em>(rolling pass)</em> que tem como missão publicar artigos científicos relevantes no sentido mais amplo dos diferentes aspectos das urgência/emergência em saúde de forma a contribuir para a disseminação do conhecimento na área da urgência e emergência, tanto pré-hospitalar quanto hospitalar e pós-hospitalar.</p> <p><strong>e-ISSN: 2763-5872</strong></p> https://chronos.samu.fortaleza.ce.gov.br/index.php/urgencia/article/view/40 Reflexões sobre Liderança e Autonomia no Existir de “Instituições Vivas” nas “Redes Vivas” de Atenção à Saúde 2022-09-12T15:13:08+00:00 Cláudio Roberto Freire de Azevedo claudio.azevedo@samu.fortaleza.ce.gov.br Juliana Araújo de Medeiros jumedeiros@orion.med.br <p>Uma “instituição viva”, em uma “rede viva”, deve manifestar a qualidade de “rede viva de si própria”, contribuindo para a vida nas redes às quais pertence, fomentando e movendo-se em um “sistema vivo”. Seu fluxo e refluxo de informações é importante para a autorregulação que surge com o aprendizado, perante os desafios da imprevisibilidade e impermanência. Trata-se de um estudo de reflexão, fundamentado na fenomenologia como base teórica filosófica, além da percepção dos autores sobre os temas abordados. Para permanecer viva, a instituição, mais do que fortalecer padrões e estruturas, deve ser capaz de criar padrões e estruturas, ganhando em flexibilidade, adaptabilidade e antifragilidade. Precisa-se de uma liderança distribuída que se articule em cima de consensos mobilizadores e colaborativos, sem perder sua própria autonomia; que forme e controle, de forma sutil, equipes autônomas e motivadas que sejam capazes de auto-organização e transcendência, de tomar iniciativas a partir de um diálogo interno de qualidade, assumir riscos, inovar e transferir seu aprendizado; que não manda, mas busca o consenso, não castra, não inibe, não restringe; que orienta, incentiva e convence, que não está querendo aparecer e está sempre aberto ao diálogo; capaz de promover o diálogo de sua equipe com o silêncio.</p> 2022-10-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Cláudio Roberto Freire de Azevedo, Juliana Araújo de Medeiros https://chronos.samu.fortaleza.ce.gov.br/index.php/urgencia/article/view/38 “O Cuidado na Crise”: a atuação do psicólogo hospitalar na urgência e emergência 2022-04-27T16:29:10+00:00 Lívia Nádia Albuquerque dos Santos livianadia99@gmail.com Jurema Barros Dantas juremabdantas@gmail.com <p>Objetivo: O presente estudo visa compreender de que forma o atendimento psicológico no momento da crise pode contribuir para a construção de uma vivência subjetiva mais humanizada e confortável ao paciente. Metodologia: O estudo se configurou como exploratório e descritivo, com base qualitativa a partir do método fenomenológico de investigação. Por meio da análise dos discursos de profissionais, pretende-se elucidar as potencialidades de ações existentes nessas circunstâncias, bem como identificar dificuldades associadas ao campo. Dessa forma, a pesquisa organizou-se em duas etapas: a primeira, com entrevistas aos profissionais que atuam no contexto da pesquisa, e a segunda com a análise de dados e produção do artigo científico, no qual se apresentaram os resultados e discussões. Resultados: evidenciou-se a relevância e os desafios dessa prática, corroborando para que o trabalho psicológico na unidade se mostre cada vez mais consolidado. Considerações finais: A unidade de urgência e emergência médica tem seu cuidado potencializado com a presença do psicólogo. Para isso, busca-se a ampliação de estudos hodiernos nessa temática a fim de colaborar com a formação de futuros profissionais da área.</p> 2022-08-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Lívia Nádia Albuquerque dos Santos, Jurema Barros Dantas https://chronos.samu.fortaleza.ce.gov.br/index.php/urgencia/article/view/39 Perfil e Sazonalidade dos Usuários Frequentes no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência 2022-08-17T18:34:14+00:00 Mahyara Pereira dos Santos mahy_pereira@hotmail.com Meire Cristina Novelli e Castro novelli.castro@unesp.br Silmara Meneguin s.meneguin@unesp.br Priscila M. Vieira de Almeida priscila.mvalmeida@gmail.com <p>Objetivo: Analisar o perfil e sazonalidade dos usuários frequentes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Metodologia: Pesquisa descritivo-exploratória, quantitativa, realizada por meio da análise das fichas dos atendimentos realizados entre 01/06/2018 a 31/05/2019 por um Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Resultados: No período do estudo, houve 7621 atendimentos no serviço, sendo 6557 incluídos no estudo. Os usuários frequentes, aqueles atendidos mais do que uma vez pelo serviço, foram identificados em 2012 casos (30,68%). A idade média desses pacientes foi de 53,29 anos sendo a maioria do sexo feminino (55,07%). A principal demanda foi em decorrência de queixas clínicas (72,14%), seguida pelas psiquiátricas (16,94%). As queixas clínicas e as psiquiátricas foram prevalentes, respectivamente, nos períodos da manhã e da tarde (p&lt;0,0001) e no inverno e na primavera (p=0,0030). O aumento da idade mostrou-se um fator de risco nas queixas clínicas (OR=1,040) e protetor nas queixas psiquiátricas (OR=0,971). Conclusão: Os atendimentos frequentes foram majoritariamente de natureza clínica e psiquiátrica. Houve relação entre período do dia nos atendimentos psiquiátricos, sendo o aumento da idade um fator protetor nestes casos, e sazonalidade com os casos clínicos, sendo o aumento da idade um fator de risco.</p> 2022-08-17T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Mahyara Pereira dos Santos , Meire Cristina Novelli e Castro , Silmara Meneguin, Priscila M. Vieira de Almeida https://chronos.samu.fortaleza.ce.gov.br/index.php/urgencia/article/view/45 Expediente, Ficha Catalográfica e Sumário 2022-12-01T19:39:20+00:00 NEP SAMU 192 Regional Fortaleza nep@samu.fortaleza.ce.gov.br <p>Este é o número primeiro do segundo ano da Revista Chronos Urgência. Com o tema "Retratos do APH no Brasil: cenário, desafios, oportunidades e inovações" nossa Revista foi concebida para oportunizar a socialização do debate e, associado à riqueza das experiências no cotidiano do trabalho, a produção de conhecimento no campo das urgências. Há muito se discute esse campo enquanto observatório privilegiado do sistema de saúde, onde as necessidades identificadas em todos os pontos da rede de atenção à saúde se expressam de modo contundente.</p> <p>Muitas foram as produções e avanços nesse campo, desde o início dos movimentos de formulação de políticas e regulamentações, principalmente no Atendimento Pré-hospitalar (APH), e muitos são os desafios e inquietações que ainda existem, na perspectiva de seguir no aprofundamento e qualificação das práticas nessa área.</p> <p>Colhemos histórias ainda não contadas, narrativas, experiências e resultados que poderão contribuir, cada vez mais, com a qualidade da atuação de profissionais e pessoas que se dedicam à vida de outras.</p> <p>Em fluxo contínuo, os artigos foram publicados à medida de sua aprovação pela Equipe Editorial.&nbsp;</p> <p><strong>Gratid</strong><strong>ã</strong><strong>o</strong>&nbsp;é a palavra que nos representa nesse momento!</p> 2022-12-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 NEP SAMU 192 Regional Fortaleza https://chronos.samu.fortaleza.ce.gov.br/index.php/urgencia/article/view/44 Retratos do Atendimento Pré-hospitalar no Brasil: cenário, desafios, oportunidades e inovações 2022-12-01T13:18:05+00:00 Cláudio Roberto Freire de Azevedo claudio.azevedo@samu.fortaleza.ce.gov.br Marisa Aparecida Amaro Malvestio mmalvestio@usp.br 2022-12-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Cláudio Roberto Freire de Azevedo; Marisa Aparecida Amaro Malvestio https://chronos.samu.fortaleza.ce.gov.br/index.php/urgencia/article/view/43 Epidemiologia do Trauma Raquimedular nas Emergências 2022-10-01T13:57:04+00:00 Marina Stancoloviche Veiga Brangioni marinabrangioni@icloud.com Maryvânsley Nunes de Sá Reis dreamy.mar@gmail.com <p>Objetivou-se analisar as evidências científicas sobre a epidemiologia do trauma raquimedular nas emergências, contribuindo para o conhecimento dos profissionais de saúde. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, com buscas realizadas nas bases de dados da BVS, Google Acadêmico e PubMed, por meio de Descritores em Ciência da Saúde, combinados entre si pelo operador booleano <em>AND</em>. Foram incluídos estudos em português, inglês e espanhol, publicados entre 2018 e 2022, com filtro de base de dados LILACS, BDEnf-Enfermagem e MedLine; e excluídos teses, monografias e estudos duplicados, restando 16 artigos para análise. A epidemiologia do trauma raquimedular foi evidenciada por preponderância no sexo masculino, mais frequente entre jovens e idosos, com baixa escolaridade e condições econômicas, etiologia principal acidentes automobilísticos e comprometimento neurológico variável. Conclui-se que o processo epidemiológico no traumatismo raquimedular ocorre com mais frequência entre jovens e idosos do gênero masculino, com baixa escolaridade e condição social. A principal etiologia são os acidentes envolvendo carro e moto e o segmento mais acometido foi o cervical.</p> 2022-11-08T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Marina Stancoloviche Veiga Brangioni, Maryvânsley Nunes de Sá Reis