Epidemiologia do Trauma Raquimedular nas Emergências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.52572/revchronosurg.v2i1.43

Palavras-chave:

Trauma raquimedular, Caracterização, Epidemiologia, Emergências

Resumo

Objetivou-se analisar as evidências científicas sobre a epidemiologia do trauma raquimedular nas emergências, contribuindo para o conhecimento dos profissionais de saúde. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, com buscas realizadas nas bases de dados da BVS, Google Acadêmico e PubMed, por meio de Descritores em Ciência da Saúde, combinados entre si pelo operador booleano AND. Foram incluídos estudos em português, inglês e espanhol, publicados entre 2018 e 2022, com filtro de base de dados LILACS, BDEnf-Enfermagem e MedLine; e excluídos teses, monografias e estudos duplicados, restando 16 artigos para análise. A epidemiologia do trauma raquimedular foi evidenciada por preponderância no sexo masculino, mais frequente entre jovens e idosos, com baixa escolaridade e condições econômicas, etiologia principal acidentes automobilísticos e comprometimento neurológico variável. Conclui-se que o processo epidemiológico no traumatismo raquimedular ocorre com mais frequência entre jovens e idosos do gênero masculino, com baixa escolaridade e condição social. A principal etiologia são os acidentes envolvendo carro e moto e o segmento mais acometido foi o cervical.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Machado A, Haertel LM. Neuroanatomia funcional. 3. ed: Atheneu; 2014.

Cerezetti CR, Nunes GR, Cordeiro DR, Tedesco S. Lesão medular traumática e estratégias de enfrentamento: revisão crítica. Mundo saúde. 2012;36(2):318-326.

Alvarenga KA, Mattos LL, Ribeiro GV, Luz FA, Gomes RS, Souza TF et al. Politraumatizado em choque medu-lar por traumatismo raquimedular. In: III Seminário Científico da Facig; 2017 Nov 9-10; Manhuaçu, Brazil. Minas Gerais: Faculdade de Ciências Gerenciais de Manhuaçu.

Barbosa FC. Ensino, pesquisa e extensão no Brasil: uma abordagem pluralista. 1. ed. Goiás: Conhecimento Livre; 2020. 7 p.

Ferreira LL, Marino LH, Cavenaghi S. Atuação fisioterapêutica no trauma raquimedular em ambiente hospi-talar. Rev. bras. ciênc. saúde. 2012; 33:55-60.

Quadri SA, Farooqui M, Ikram A, Zafar A, Khan MA, Suriya SS et al. Recent update on basic mechanisms of spinal cord injury. Neurosurg Rev. 2020; 43:425-441.

Morais DF. Traumatismo Raquimedular: Aspectos epidemiológicos, clínicos e radiológicos [dissertation]. São José do Rio Preto: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto; 2013. 89 p.

Torregrossa F, Sallì M, Grasso G. Emerging therapeutic strategies for traumatic spinal cord injury. World Neurosurg. 2020; 140:591-601.

Moraes AM, Dias CP, Carneiro SR, Rocha RS, Rocha SO. Perfil epidemiológico e clínico de pacientes com traumatismo raquimedular de um hospital público no estado do Pará. Rev CPAQV. 2020;12(1):2-9.

Rouquayrol MZ, Goldbaum M, Santana EW, Gondim AP. Epidemiologia, história natural, determinação soci-al, prevenção de doenças e promoção da saúde. In: Rouquayrol MZ, Silva MG. Epidemiologia e saúde. Rio de Janeiro: Editora Medbook; 2018.

Santos TS, Guimarães RM, Boeira SF. Epidemiologia do trauma raquimedular em emergências públicas no município do Rio de Janeiro. Esc Anna Nery. 2012; 16(4):747-753, 2012.

Cavalcante ES, Miranda FA. Trauma da medula espinhal e cuidados de enfermagem. Rev. bras. pesqui. saúde. 2014;16(1):125-132.

Ercole FF, Melo LS, Alcoforado CL. Revisão integrativa versus revisão sistemática. REME rev. min. enferm. 2014;18(1):9-12.

Cirino CP, Silva FA, Sandoval RA. Perfil epidemiológico de pacientes com trauma raquimedular atendidos no ambulatório de fisioterapia de um hospital de referência em Goiânia. Rev. Cient. Esc. Estadual Saúde Pública de Goiás Cândido Santiago. 2018;4(1):81-90.

Zenatti GA, Souza V, Bandeira JL, Melo AR, Trombetta JP, Pietrobon E et al. Trauma raquimedular em aci-dentes automobilísticos: achados epidemiológicos e seu perfil sob novo aspecto. J. Bras. Neurocir. 2019;30(2):105-111.

Londono LL, Ballesteros ED, Garcia LA, Jimenez JA, Ginalis E, Marchesini N et al. Epidemiology of spinal cord injuries due to road traffic accidents in latin america: a systematic review [undergraduate thesis]. Bo-gotá: Universidad El Bosque, Facultad de Medicina; 2019. 33 p.

Moraes AM, Dias CP, Carneiro SR, Rocha RS, Rocha SO. Perfil epidemiológico e clínico de pacientes com traumatismo raquimedular de um hospital público no estado do Pará. Rev CPAQV. 2020;12(1):2-9.

Müller BR, Cezillo MV, Oliveira BS, Matos LV, Silva NM, Monção SZ et al. Trauma raquimedular na emer-gência hospitalar: conduta e repercussões. In: Guilherme BL, organizators. Trauma e emergência. Paraná: Editora Pasteur; 2020. p. 230-39.

Maia FM, Gonçalves MH, Casadevall MQ, Brasil EG, Pereira MG, Freitas JC. Perfil de pacientes com trauma-tismo raquimedular e visita pré-operatória de enfermagem. Braz J Dev. 2020;6(6):37923-37935.

Paula MR, Santos K, Batista MA, Gonçalves RC, Reis SS. A importância da atuação da equipe no atendimento pré-hospitalar (aph) à vítima suspeita de trauma raquimedular. Braz J Dev. 2020;6(12):94196-94204.

Pereira TG, Castro SL, Barbosa MO. Perfil epidemiológico do traumatismo raquimedular em um hospital de referência do Distrito Federal: um estudo retrospectivo. Braz J Dev. 2022;8(2):8708-8729.

Palitot TF. Traumatismo raquimedular e fatores associados em vítimas de acidentes de trânsito [master’s thesis]. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba, Faculdade Rebouças de Campina Grande; 2018. 70 p.

Chen J, Chen Z, Zhang K, Song D, Wang C, Xuan T. Epidemiological features of traumatic spinal cord injury in Guangdong Province, China. J. Spinal Cord Med. 2021;44(2):276-281.

Costa GH, Silva JV, Petersen PA, Marcon RM, Cristante AF. Epidemiology of vertebral spine fractures in a hospital in São Paulo in the two-year period 2017-2018. Coluna/Columna. 2021;20(4)291-294.

Sousa EJ, Hanna MB, Castro LM, Ishigaki BS, Monteiro AM. Epidemiological profile of patients with verte-bral trauma at a reference center in the amazon. Coluna/Columna. 2021;20(3):201-206.

Lurie T, Berman E, Hassan S, Jackson M, Falcon J, Najafali D et al. Early predictors of near-shore spinal in-juries among emergency department patients. J Emer Med. 2021;60(1):17-24.

Castillejos MA, Cadena JL, Romero RM, Rodriguez EB, Luna LM, Zetina CC. Frequency of vertebral fractures in high-energy trauma. Coluna/Columna. 2018;17(2):147-150.

Tadros A, Sharon M, Craig K, Krantz W. Characteristics and management of emergency department patients presenting with C2 cervical spine fractures. Biomed Res Int [internet]. 2019 [cited 2022 Aug 21]; 2019:4301051. Available from: https://doi.org/10.1155/2019/4301051.

Shibahashi K, Nishida M, Okura Y, Hamabe Y. Epidemiological state, predictors of early mortality, and predictive models for traumatic spinal cord injury: a multicenter nationwide cohort study. Spine j. 2019;44(7):479-487.

Cardoso ML, Lucena LR, Santos SV, Silva VS, Silva LN, Rodrigues LA et al. Atuação do enfermeiro no aten-dimento pré-hospitalar mediantes situações de trauma raquimedular. Braz. J. Health Rev. 2021;4(6):23997-24006.

Tafida MA, Wagatsuma Y, Ma E, Mizutani T, Abe T. Descriptive epidemiology of traumatic spinal injury in Japan. J Orthop Sci. 2018; 23:273-276.

Santos RA, Almeida ML, Silva MF. Perfil clínico e epidemiológico de pacientes com traumatismo raquimedu-lar. Fisiot. Bras. 2013;14(3):215-220.

Morais DF, Spotti AR, Cohen MI, Mussi SE, Neto JS, Tognola WA. Perfil epidemiológico de pacientes com traumatismo raquimedular atendidos em hospital terciário. Coluna/Columna. 2013;12(2):149-152.

Pereira CU, Jesus RM. Epidemiologia do traumatismo raquimedular. J Bras Neurocirurg. 2011;22(2):26-31.

Sousa EPD, Araujo OF, Sousa CL, Muniz MV, Oliveira IR, Neto NG. Principais complicações do Traumatismo Raquimedular nos pacientes internados na unidade de neurocirurgia do Hospital de Base do Distrito Fede-ral. Comun. ciênc. saúde. 2013; 24(4):321-330.

Downloads

Publicado

08-11-2022

Como Citar

1.
Brangioni MSV, Reis MN de S. Epidemiologia do Trauma Raquimedular nas Emergências. Rev. Chronos Urg. [Internet]. 8º de novembro de 2022 [citado 2º de dezembro de 2022];2(1):e2122.43. Disponível em: https://chronos.samu.fortaleza.ce.gov.br/index.php/urgencia/article/view/43